Bicalho Ortodontia

Ortodontia de Excelência em Brasília

Tratamentos

Cirurgia Ortognática

Assim como a ortodontia corrige as irregularidades dentárias, a cirurgia ortognática, realizada pelo cirurgião buco-maxilo-facial, corrige as desarmonias esqueléticas dos maxilares, oferecendo como benefícios ao paciente uma melhora na mastigação, na deglutição, na fala, na respiração e, conjuntamente, melhora na estética facial e na auto-estima.

O tratamento orto-cirúrgico é indicado para pacientes adultos que possuam discrepâncias maxilo-mandibulares severas e que se encontrem fora do período de crescimento, ou ainda para pacientes que tenham queixas quanto à sua estética facial. Em média, o crescimento cessa nas meninas por volta dos 16 anos e nos meninos aos 18, mas a cirurgia só pode ser realizada quando se tem certeza de que todo o crescimento dos maxilares foi finalizado.

Para se realizar tal procedimento os dentes devem estar alinhados e nivelados. Por este motivo, o tratamento ortodôntico se faz necessário antes e após a intervenção cirúrgica, para posicionar corretamente os dentes em suas bases ósseas. Durante o alinhamento inicial pré-cirúrgico, o paciente pode ter a sensação de que sua “mordida” está piorando; contudo, quando os maxilares forem devidamente posicionados, os dentes irão se encaixar na posição adequada.

A cirurgia é realizada em ambiente hospitalar pelo cirurgião buco-maxilo-facial e tem a duração de algumas horas, dependendo do tipo de cirurgia indicada. Finalizado o procedimento cirúrgico, o paciente poderá retornar ao seu trabalho ou a suas tarefas diárias em até duas semanas. Passado o período de cicatrização (4-8 semanas), o ortodontista iniciará a fase de “finalização”, que na maioria dos casos dura de 6 a 12 meses. Ao final do tratamento, os braquetes serão removidos e o paciente utilizará uma contenção para manter o belo sorriso conquistado.

Ortopedia Fixa

A Ortopedia é a área da Ortodontia que tem por objetivo corrigir as relações entre os maxilares, redirecionando o crescimento dos ossos da face. A sua aplicação deve ser realizada em pacientes jovens, uma vez que necessita de crescimento ativo para que seja efetiva. 

Por existir uma posição majoritária na literatura no sentido de que a utilização de aparelhos removíveis produz resultados heterogêneos, porquanto depende da colaboração do paciente em uma faixa etária em que poucos possuem compromisso com o tratamento, nossa clínica opta por utilizar aparelhos ortopédicos fixos. Tal técnica oferece diversas vantagens aos pacientes, dentre as quais podem ser citadas a obtenção de resultados mais previsíveis e satisfatórios e a redução no período de tratamento.

Exemplos de aparelhos ortopédicos fixos empregados em nossa clínica são os expansores palatinos e os aparelhos de protração mandibular. Os primeiros servem para tornar o maxilar superior mais amplo, com o objetivo de evitar extrações, corrigir mordidas cruzadas ou, ainda, tornar o sorriso mais agradável. Seu tempo de atuação gira em torno de seis meses, e depois de removido há a necessidade de se utilizar um aparelho removível como contenção por mais no mínimo seis meses. 

Os aparelhos de protração mandibular, por sua vez, são usados para normalizar as discrepâncias entre o maxilar superior e inferior, tendo como finalidade conduzir a mandíbula para uma posição mais anterior e harmonizar o perfil do paciente. Podem ser utilizados antes ou concomitantemente com a mecânica ortodôntica convencional, e seu período de uso varia de seis meses a um ano.

Em nossa clínica utilizamos os expansores palatinos do tipo Haas como aparelho padrão e, para pacientes com acentuado crescimento vertical, o tipo McNamara. Quanto aos aparelhos protratores mandibulares, temos por costume empregar o aparelho de Herbst em pacientes jovens disfuncionais que apresentam grandes desvios maxilo-mandibulares e risco de trauma dos dentes anteriores superiores, e o aparelho APM / FLF para todos os outros casos nos quais exista uma deficiência de crescimento mandibular que influencie no posicionamento dentário e no perfil dos pacientes.

Ancoragem Esquelética

Ancoragem é uma palavra usada em Ortodontia que significa resistência ao deslocamento. Para o sucesso da mecânica e, conseqüentemente, do tratamento ortodôntico, devemos prestar especial atenção à seleção dos dispositivos de ancoragem. Existem vários recursos intra e extrabucais a serem utilizados, mas a escolha depende das necessidades apresentadas por cada caso.

Os métodos tradicionais de controle de ancoragem apresentam uma série de desvantagens como complicações estéticas, funcionais e, principalmente, necessidade de colaboração do paciente, que podem influenciar decisivamente no resultado final do tratamento.

A Ancoragem Esquelética está relacionada com a possibilidade do implantodontista ou cirurgião fornecer ao ortodontista um ponto fixo e imóvel dentro da cavidade bucal, para que sejam realizados movimentos simples ou complexos de forma mais controlada e previsível. Atualmente, os dispositivos mais utilizados para fornecer a ancoragem esquelética são os implantes osseointegráveis, os microparafusos e as miniplacas.

Os implantes osseointegráveis, de conhecimento geral da população, são aqueles que substituem os dentes perdidos. Além da finalidade protética também podem ser utilizados como ancoragem ortodôntica. Entretanto, devido ao seu tamanho, custo e complexidade cirúrgica para a inserção e remoção, possuem algumas restrições à sua utilização, sendo indicado em casos muito específicos.

As miniplacas de titânio, antes empregadas somente para fixação cirúrgica, podem ser utilizadas como recurso de ancoragem ortodôntica, mas possuem algumas limitações quanto aos locais de instalação, custo e complexidade cirúrgica para inserção e remoção. Tem indicação precisa para fechamento de mordidas abertas limítrofes ou quando se deseja movimentos dentários em massa de todo o arco superior ou inferior.

Por fim, os microparafusos de titânio são, dentre todos os dispositivos esqueléticos temporários disponíveis, os que melhor se adequam às características necessárias a este tipo de ancoragem, pois foram desenvolvidos especificamente para a Ortodontia, possuem tamanho reduzido, que lhes permite ser instalado em diversas áreas da boca para os mais variados fins, fácil procedimento de instalação e remoção, além de baixo custo.

Em razão disso, nossa clínica utiliza desde 2004 a técnica de ancoragem esquelética com microparafusos de titânio com grande sucesso, pois tal procedimento provou ser simples, seguro e de grande aceitação por parte dos nossos pacientes.

Bráquetes Autoligados

São os bráquetes mais modernos e com a melhor tecnologia existente atualmente. Este sistema dispensa o uso de borrachinhas ou amarrilhos metálicos para prender o arco ao bráquete pois possui um clip desenvolvido especialmente para este fim. A grande vantagem deste sistema é a diminuição do atrito entre o fio ortodôntico e o bráquete, tornado possível a utilização de forças mais leves e a realização do movimento dentário mais rapidamente. Por estes movitos, em muitos casos, pode ser possível diminuir o tempo total do tratamento ortodôntico. Utilizamos os bráquetes autoligados Damon 3MX, da companhia americana Ormco, e In-Ovation R e In-Ovation C, da empresa americana GAC.

Bráquetes Cerâmicos

A utilização dos bráquetes estéticos tem sua principal indicação no tratamento de pacientes adultos que refutam a colocação de aparelho ortodôntico pela aparência indesejável dos bráquetes metálicos. Os principais fatores desmotivadores do uso de aparelhos ortodônticos por parte dos adultos são o tempo prolongado de tratamento e aparência anti-estética dos bráquetes. Em função da crescente demanda desses pacientes nos consultórios de Ortodontia, a indústria odontológica têm buscado oferecer alternativas de tratamento estético, desenvolvendo tecnologias e técnicas de tratamento específicas, como o uso de bráquetes coloração transparente ou esbranquiçada. Dos materiais que compõem a Ortodontia estética, este é o mais viável economicamente e que não altera a biomecânica convencional do tratamento ortodôntico.

 

Bráquetes Metálicos

Os aparelhos ortodônticos metálicos são as ferramentas convencionais com as quais o ortodontista põe em prática o plano de tratamento elaborado especificamente para cada paciente. São constituídos de aço inoxidável de alta qualidade. Além dos bráquetes metálicos fazem parte da aparelhagem ortodôntica as bandas (anéis metálicos adaptados aos molares) e os arcos, que são trocados durante o tratamento. É muito importante lembrar que os aparelhos ortodônticos não trabalham sozinhos. A maior parcela do sucesso do tratamento ortodôntico depende de um diagnóstico bem feito, de um plano de tratamento adequado, da formação do especialista e de sua experiência clínica, além da colaboração do paciente.